Vamos rezar juntos, deixe seu pedido de oração.

HOMILIA DIÁRIA - PAPA FRANCISCO

quinta-feira, 23 de março de 2017

Dez passos para ter uma boa conversa com Deus

1ª Passo: Tomar um livro espiritual (Novo Testamento ou Imitação de Cristo) – ler algumas linhas com intervalos – meditar um pouco no que se leu, procurar entender o seu significado e gravá-lo no espírito. – Tirar daí qualquer afeto santo, amor ou penitência, etc., e propor praticar uma virtude que mais agrade. Não ler muito, nem meditar muito. – Demorar-se em cada pausa, enquanto o espírito nela encontrar entretenimento agradável e útil.

Passo: Tomar qualquer expressão da Sagrada Escritura, ou qualquer oração vocal: Pai Nosso, Ave Maria, Credo, por exemplo, pronunciá-la, demorar-se em cada palavra, tirar dela diversos sentimentos de piedade, nos quais se demore, enquanto nele se achar gosto. No fim, pedir a Deus alguma graça ou virtude, conforme o assunto meditado. Não se demorar numa palavra, quando nela já não se encontrar com que deleitar-se. Passar serenamente para outra. – Quando se sentir tocado por algum sentimento bom, demorar-se enquanto ele dura, sem querer passar adiante. Não é necessário fazer sempre atos novos, basta algumas vezes conservar-se perante Deus, saboreando em silêncio as palavras já meditadas, ou os sentimentos que elas produziram no coração.


3ª Passo: Quando o assunto preparado não fornece entretenimento suficiente, fazer atos de fé, adoração, ação de graças, esperança, amor, etc., dando-lhes a extensão que se quiser, e demorando-se, um pouco, em cada um para o saborear.

4ª Passo: Quando não se conseguir meditar, nem produzir afetos, afirmar diante de Deus que se tem a intenção de fazer tantos atos de contrição, por exemplo, quantas vezes se respirar, se fizerem passar as contas de terço entre os dedos ou se pronunciar com a boca qualquer oração curta. Renovar, de quando em quando, este propósito. Se Deus der outro qualquer bom sentimento, recebê-lo com humildade e demorar-se nele.

5ª Passo: Nas penas e aridezes, abandonar-se, generosamente, ao sofrimento sem se inquietar nem fazer esforço para sair dele, sem fazer outros atos senão este abandono de si mesmo nas mãos de Deus para sofrer essa provação e todas aquelas que a Ele aprouver. Ou então, unir-se à Agonia de Nosso Senhor no Horto e ao seu desamparo na Cruz. Persuadindo-se que nela está cravado com o próprio Salvador e, com o seu exemplo, desejando conservar-se lá e sofrer até à morte.

Passo: Exame interior. – Reconhecer as próprias faltas, paixões, fraquezas, enfermidades, impotência, misérias, nada. – Adorar os juízos de Deus acerca do estado em que a pessoa se encontra. – Submeter-se à sua santa vontade. – Bendizê-lo, igualmente, tanto pelos castigos da sua justiça como pelos favores da sua misericórdia. – Humilhar-se perante a sua suprema Majestade. – Confessar-lhe, sinceramente, as nossas infidelidades e pecados, e pedir-lhe perdão. – Detestar todo o mal que se fez e propor corrigir-se para o futuro. Esta oração é livre e recebe toda a espécie de afetos; pode-se fazer em qualquer ocasião, sobretudo, após uma queda inesperada, para se submeter aos castigos da justiça de Deus, ou após o embaraço da ação, para voltar ao recolhimento.

Passo: Meditação sobre os fins últimos. Considerar-se na agonia, entre o tempo e a eternidade – entre a vida passada e o julgamento de Deus. – Que queria ter feito? – Como queria ter vivido? – Recordar-se dos pecados, desregramentos, abuso das graças. – Lamentar o mal feito. Propor remediar o que cause motivos de temor. Imaginar-se no cemitério, esquecido e todos, – diante do Tribunal de Jesus Cristo, no Purgatório, no Inferno. Quanto mais viva for a representação, tanto mais proveitosa a meditação. É necessária esta morte mística para descarnar a alma e ressuscitá-la, isto é, libertá-la da corrupção do vício. É preciso passar por este purgatório para se chegar ao gozo de Deus nesta vida.

Passo: Aplicação do espírito a Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento. Saudar Nosso Senhor, com todo o respeito que a presença real exige, unir-se a Ele e a todas as suas divinas operações na eucaristia, onde, como Vítima, não cessa de adorar, louvar e amar o Pai, em nome de todos os homens. Pensar no seu recolhimento, vida oculta, obediência, humilde, etc. – Excitar o desejo dessas virtudes. Oferecer Jesus Cristo ao Pai Eterno, como única vítima digna d’Ele, e pela qual podemos render-lhe homenagem, reconhecer os seus benefícios, satisfazer a sua justiça e obter misericórdia. Oferecer-se a si mesmo para lhe sacrificar o ser, vida, empregos. Apresentar-lhe um ato de virtude que se proponha fazer, uma mortificação a praticar, pelos mesmos fins pelos quais Nosso Senhor se imola no Santíssimo Sacramento. – Fazer esta oblação com um desejo ardente de aumentar, tanto quanto se for capaz, a glória que Ele presta a seu Pai neste augusto mistério. Terminar fazendo a comunhão espiritual. Tornar freqüentes estas visitas, porque a nossa felicidade nesta vida depende da nossa união a Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento.

Passo: Faz-se em nome de Jesus Cristo. – Aumenta a nossa confiança em Deus e faz-nos entrar no espírito e nos sentimentos de Nosso Senhor. Funda-se na nossa aliança com o Filho de Deus, em sermos seus irmãos, membros do seu corpo místico; no fato de Ele nos ceder todos os seus méritos e nos legar todas as recompensas que o seu Pai lhe deve pelos seus trabalhos e morte. É isto que nos torna capazes de honrar a Deus com um culto digno de Deus e nos dá o direito de tratar com Deus e de exigir, de algum modo, as suas graças como por justiça. – Não temos esse direito como criaturas, menos ainda como pecadores, porque há desproporção infinita entre Deus e a criatura e oposição infinita entre Deus e o pecador. Mas na qualidade de aliados do Verbo Encarnado, de seus irmãos, de seus membros, podemos aparecer diante de Deus com confiança, tratar familiarmente com Ele e obrigá-lo a escutar-nos, favoravelmente, a ouvir as nossas súplicas e a conceder-nos as suas graças, devido à aliança e à união que temos com o seu filho. Portanto, aparecer perante Deus, para O adorar, amar, ou louvar, por intermédio de Jesus Cristo, operando em nós como a Cabeça nos seus membros e elevando-nos, pelo seu espírito, a um estado todo divino; ou para pedir qualquer favor, em virtude dos méritos do seu Filho. E, com este fim, apresentar-lhe os serviços que o seu Filho lhe prestou, a sua vida, a sua morte, os seus sofrimentos.

10ª Passo: Simples atenção à presença de Deus e meditação. Antes de se aplicar em meditar o assunto preparado, pôr-se na presença de Deus, afastando qualquer pensamento distinto, e excitando o respeito e amor a Deus que a sua presença inspira. – Conservar-se, assim, diante de Deus, em silêncio, neste simples repouso de espírito enquanto nele se encontrar gosto. – Em seguida, meditar segundo a maneira ordinária. Bom é começar, assim, todas as meditações, e útil o fazê-lo depois de cada ponto. – Repousar nesta simples atenção a Deus ajuda a estabelecer o recolhimento interior. – O espírito fixa-se em Deus e prepara-se para a contemplação. – Mas não se deve conservar assim por pura preguiça e para não se ter o trabalho de meditar.

Fonte: Assoc. Apostolado do Sagrado Coração de Jesus
Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

DEIXE SEU PEDIDO DE ORAÇÃO

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica

Se desejar receber nossas atualizações de uma forma rápida e segura, por favor, faça sua assinatura, é grátis. Acesse nossa pagina: https://ocristaocatolico.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail para recebimento automático, obrigado.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Ajude-nos a melhorar nossa evangelização, deixe seu comentário. Lembre-se, no seu comentário, de usar as palavras orientadas pelo amor cristão.

CATEQUESE CRISTÃ CATÓLICA
"Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica"