Vamos rezar juntos, deixe seu pedido de oração.

HOMILIA DIÁRIA - PAPA FRANCISCO

domingo, 23 de abril de 2017

Reflexão 2º Domingo da Páscoa “A” - São Mateus

Jesus ressuscitado manifesta-se na assembleia dominical

O evangelho apresenta a aparição de Jesus ressuscitado num quadro "litúrgico". Os discípulos estão reunidos, no domingo à noite (dia da ressurreição) e novamente oito dias depois. Jesus apresenta-se com os sinais gloriosos da paixão; transmite-lhes, com seu Espírito, os dons pascais resumidos na paz, na reconciliação; confirma-lhes a fé e anuncia a bem-aventurança dos que creram sem tê-lo visto.

Ressuscitou e está entre nós

Como mostra uma série de testemunhos, a começar pelos Atos (1ª leitura), a comunidade dos que creem se reúne em torno de seu Senhor ressuscitado, tornando-se ela mesma o lugar espiritual, o sacramento da sua presença. Ainda hoje somos fiéis ao ensinamento dos apóstolos, que ouvimos na liturgia da palavra através dos escritos e da palavra viva dos ministros; ainda hoje oramos em nome do Senhor Jesus, partimos juntos o pão sobre o qual fizemos a eucaristia, comungamos (ou deveríamos comungar) os bens com os pobres, numa fraternidade autêntica. Ainda hoje, proclamamos na assembleia que Jesus é "Senhor" e "Deus", anunciamos seu perdão e sua paz, somos enviados para dar testemunho da vida nova. A liturgia dominical se torna o lugar privilegiado de nosso encontro com o Senhor ressuscitado, que reconhecemos misteriosamente presente nos sinais da assembleia, da palavra, do sacerdote, do pão e do vinho. É o regime da fé, contraposto ao da visão.


Um dia para o Senhor

Dois textos do Concílio podem concluir a mensagem deste domingo: "Assim como Cristo foi enviado pelo Pai, assim também ele enviou os apóstolos, cheios do Espírito Santo, não só para pregarem o evangelho a toda criatura, anunciarem que o Filho de Deus, pela sua morte e ressurreição, nos libertou do poder de satanás e da morte e nos transferiu para o reino do Pai, mas ainda para levarem a efeito o que anunciavam: a obra da salvação através do sacrifício e dos sacramentos, sobre os quais gira toda a vida litúrgica" (SC 6).

"Devido à tradição apostólica, que tem sua origem no mesmo dia da ressurreição de Cristo, a Igreja celebra cada oito dias o mistério pascal. Esse dia chama-se justamente 'dia do Senhor' ou domingo. Neste dia, pois, os cristãos devem reunir-se para, ouvindo a palavra de Deus e participando da eucaristia, lembrarem-se da paixão, ressurreição e glória do Senhor Jesus e darem graças a Deus que os 'regenerou para a viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo de entre os mortos' (1Pd 1,3) [2ª leitura]. Por isso, o domingo é um dia de festa primordial que deve ser lembrado e inculcado à piedade dos fiéis" (SC 106)

Uma assembleia de homens livres

Reuniões, encontros e "assembleias" de toda espécie se verificam na vida política, social, cultural e religiosa. Em toda sociedade religiosa há reuniões periódicas consagradas a celebração do culto.

Que sentido tem a assembleia cristã dominical? A liturgia de hoje nos oferece oportunidade para refletir sobre esse significado. Frequentemente nossas assembleias dominicais são privadas de atrativo e vida; o povo se deixa dominar pelo tédio e não vê a hora em que terminem. Falta-lhes alegria, uma paixão interior que dê unidade à assembleia, que a faça vibrar.

Parece mais uma assembleia de pessoas constrangidas que de voluntários reunidos por uma necessidade profunda de encontro.

No entanto, surgem experiências novas de assembleia dominical em que se sente verdadeiramente a comunidade, percebem-se suas aspirações, o gosto de vibrar juntos, de viver juntos, de comunhão profunda, de sintonia com a Igreja e com as necessidades do mundo. Devemos convencer-nos de que nossa assembleia dominical realiza valores absolutamente inéditos. Não é antes de tudo uma reunião obrigatória, nem uma reunião de ensinamento ou de oração, mas principalmente o sinal visível da reunião de todos os homens, para a qual convergem oração, ensina­mento, dever; reunião de um povo "que de um extremo ao outro da terra oferece ao vosso nome o sacrifício perfeito". É o "sinal" da presença do Senhor ressuscitado, e este comunica e imprime à assembleia seu dinamismo, sua alegria, sua vitalidade irradiante de testemunho.

Se saímos da assembleia dominical com o coração frio, tal como entra­mos, é sinal de que faltou algo de essencial. De que, ao menos em parte, a assembleia falhou.

·        Primeira Leitura: Atos dos Apóstolos 2,42-47
·        Salmo: 117,2-4.13-15.22-24 (R.1)
·        Segunda Leitura: Primeira Carta de São Pedro 1,3-9
·        Evangelho: de Jesus Cristo segundo João 20,19-31

Fonte: Missal Dominical (Paulus)
Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

DEIXE SEU PEDIDO DE ORAÇÃO

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica

Se desejar receber nossas atualizações de uma forma rápida e segura, por favor, faça sua assinatura, é grátis. Acesse nossa pagina: https://ocristaocatolico.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail para recebimento automático, obrigado.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Ajude-nos a melhorar nossa evangelização, deixe seu comentário. Lembre-se, no seu comentário, de usar as palavras orientadas pelo amor cristão.

CATEQUESE CRISTÃ CATÓLICA
"Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica"